A silenciosa construção do sucesso

Manuel Pellegrini

Este engenheiro chileno tem uma vida dedicada ao futebol. Suas conquistas na Argentina e na Espanha levaram-no ao Real Madrid.

jueves, 15 de julio de 2010  
Manuel Pellegrini Manuel Pellegrini (Photo:El Mercurio)

De caráter reservado, Manuel Luis Pellegrini Ripamonti entrou ao panteão do esporte chileno em 2009 quando o clube mais importante do século XX, o Real Madrid, contratou-o para ser o técnico de seu milionário plantel encabeçado por estrelas como Kaká e Cristiano Ronaldo, o jogador com o contrato mais caro da história do futebol.

Com um comedimento característico, o engenheiro civil de Santiago, de 55 anos brincou ao ser apresentado, revelando que chegar ao time merengue era um “sonho”. Quando iniciou sua carreira há 23 anos, tinha confidenciado a seus amigos que terminaria como treinador dos galácticos.

Casado com Carmen Gloria Pucci tiveram três filhos: Manuel, Juan Ignacio e Nicolas. É o quinto dentre oito filhos de uma família acomodada que mesmo não impedindo que ele seguisse sua paixão, sempre exigiu que estudasse. Por isso foi aluno da Universidade Católica enquanto praticava esportes no clube Universidade de Chile, onde jogou profissionalmente entre 1973 e1986. 

Com uma filosofia que mistura disciplina defensiva com liberdade no ataque, o técnico dos galácticos já esteve no banco de times chilenos como o Palestino, O’Higgins e Universidad de Chile, o segundo com maior tradição no país. Este último, sob seu comando em 1988, caiu na tabela de posições sendo um dos principais tropeços na sua carreira de sucesso. Teve a primeira de suas revanches com a Universidad Católica, quando ganhou uma Copa Chile e a Copa Interamericana.

Na direção da Liga Deportiva Universitaria de Quito (Equador), ganhou um torneio local e alcançou as oitavas-de-final na Copa Libertadores (1999). A partir de 2001, começou a triunfar na Argentina, quando ganhou um Torneio de Clausura e uma Copa Mercosul com o San Lorenzo, o primeiro título internacional deste popular clube argentino.

Em 2002, o sucesso de Pelegrini significou um contrato com uma das instituições mais prestigiosas da América e uma das duas maiores da Argentina, River Plate, na qual ganhou um Torneio de Clausura (2003).

Em 2004, Pellegrini se surpreendeu quando foi convidado a dirigir o clube espanhol Villarreal, um time da Comunidade Valenciana que desde 1923 só havia participado de seis campanhas na primeira divisão. Com o chileno como técnico este time alcançou, em mais de 200 jogos, uma Copa Intertoto (2004), as semifinais do Champions league (2006) e um sub-campeonato de Liga (2008), entre outras conquistas.