Santiago, passeio cultural

A cidade é cultura viva, história, arte e arquitetura. Um espaço aberto para caminhar, conhecer e se surpreender.

martes, 27 de julio de 2010  
Paseo Cultural

 - Arte e espetáculos
- Santiago, passeio cultural
- Museus do Chile

A vida cultural é manifestada com cantores de ônibus, tocadores de realejos e artistas que fazem malabarismo, sketchs ou esculturas vivas na via pública. Na margem sul do rio Mapocho, os parques Forestal e Balmaceda formam uma coluna verde que proporciona importantes atrações culturais.
O primeiro é o Centro Cultural Estación Mapocho, uma antiga estação de trem que oferece exposições e eventos. O bairro é Zona Típica. Também é recomendável tomar um pouco de tempo para conhecer o Mercado Central. Em pleno parque Forestal, uma escultura do colombiano Fernando Botero parece dar as boas-vindas ao palácio do Museu de Arte Contemporânea e do Museu de Belas Artes. Este é um setor com ar intelectual, bons cafés e livrarias que se conecta com o Cerro Santa Lucía, um histórico e belo passeio no centro da cidade.
À frente do cerro, está o palácio do Arquivo Nacional e da Biblioteca Nacional.  Mais próximo ao centro da cidade estão o Teatro Municipal e, ao redor da Plaza de Armas, o Museu Histórico Nacional, a Catedral de Santiago e o Museu Pré-colombiano.
A Praça Italia une os parques Forestal e Balmaceda. Neste ponto se encontra o Teatro da Universidade do Chile e a ponte Pío Nono que conecta o bairro Bellavista e a casa-museu do Prêmio Nobel Pablo Neruda. Com o seu caráter boêmio, o bairro Bellavista oferece lugares para amantes do teatro, da literatura, do jazz e da gastronomia.
Saindo da Praça Italia para o sul se estende o Parque Bustamante, com um moderno café literário, teatro ao ar livre e acesso à estação do metrô que exibe o mural mais longo do Chile. No leste, o Parque Balmaceda também tem o seu café literário, com uma biblioteca e espaços para workshop de escritores e conferências. No setor próximo está o ativo Centro Cultural de Espanha e algumas galerias onde abundam os sebos com seus livros usados e jóias bibliográficas.
Já no setor oeste de Santiago e em frente da Estación Central, a principal estação ferroviária do Chile, nasce Matucana, a rua onde Violeta Parra cantava quando chegou a Santiago. É um bairro em transformação com um claro perfil cultural. Aqui se encontram a moderna Biblioteca de Santiago e o teatro Matucana 100. Os dois lugares são antigos galpões reciclados e transformados em modernos centros culturais.
A um passo daqui está a Quinta Normal, com arvoredos, passeios e lagoas. No seu interior, os museus de História Natural, de Arte Contemporânea, de Ciência e Tecnologia; Ferroviário e Infantil. Na estação de metrô está a Sala Pablo Neruda. Nas proximidades do parque, o museu Artequin e o Pedagógico.
Obviamente, existem museus em outros bairros: no Museu Interativo Mirador (MIM), você pode conhecer a Região Metropolitana em 3D, e a história do país pode ser percorrida no Museu Histórico Nacional e no Museu da Solidariedade Salvador Allende. Nesse último, conservam-se pinturas doadas por grandes artistas, entre eles Pablo Picasso e o chileno Roberto Matta.
As exibições de artes plásticas estão principalmente no setor leste de Santiago. No exclusivo bairro da rua Alonso de Córdova onde há uma grande quantidade de galerias de arte que expõem principalmente pintura, gravura, fotografia e escultura. A zona também tem uma atrativa oferta gastronômica e lojas de moda.