Valparaíso: Amor à primeira vista

Porto principal e cartão postal do turismo chileno. Patrimônio da Humanidade, seus morros estão cheios de histórias e suas casas parecem estar penduradas sobre o mar.

martes, 27 de julio de 2010  
Valparaíso Valparaíso, Cerro Concepción

A fama do principal porto do país ultrapassa fronteiras e gera emoções e paixões inevitáveis. Declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco, está construída em dezenas de morros que exibem orgulhosos suas velhas e coloridas casas.

Desde quaisquer delas, a vista panorâmica da baía é poderosa e inesquecível, assim como a imagem de sua incessante atividade portuária.

Com certeza, o visitante vai amar Valparaíso. Não há outra opção com esta cidade batizada na primeira expedição espanhola ao Chile realizada por Diego de Almagro, em 1536. No porto, há aromas a velhos tempos que já se foram. Uma mistura de raízes, uma aparente desordem arquitetônica que quebra a lógica urbana e motivou a admiração de artistas e boêmios.

O luminoso e o sombrio deixaram suas marcas. Só no século XIX, com a abertura comercial dos portos americanos ao mundo, após a independência, Valparaíso começou a ser povoado e transformou-se numa das principais escalas na singradura dos navios que cruzavam o Estreito de Magalhães para unir o Atlântico e o Pacífico.

Valparaíso tem suportado incêndios e terremotos, mas sempre se levanta. Foi capaz de preservar suas singulares construções de influência inglesa localizadas no Plan, ou parte baixa da cidade, setor eminentemente comercial que também exibe os antigos elevadores que sobem os mais de 40 morros com vista ao mar.

Becos, mirantes, enormes escadas e passadiços sinuosos fazem com que o visitante se perca devido ao assombro. A geografia urbana da jóia do Pacífico, como também é chamada a cidade, comove e parece alterar o passar do tempo.

Museus ao ar livre

La Sebastiana, antiga casa do poeta e prêmio Nobel Pablo Neruda, o Passeo Gervasoni ou o Yugoeslavo, o Cerro Bellavista, o Cerro Cárcel, centenas de bares com velhas histórias e a igreja La Matriz são algumas das atrações que se abrem de rua em rua, de elevador em elevador e de morro em morro. Um espetáculo à parte é o mercado e a incomparável Festa de Ano Novo com sua meia hora de fogos de artifício sobre o mar.
Para comer e dormir há opções para todos os bolsos. Visitar Valparaíso e não conhecer os míticos Cinzano ou Jota Cruz, símbolos da gastronomia portenha, seria imperdoável.

Com certeza Valparaíso aceita e acolhe quem quiser passear pela cidade, venha de onde vier, seja quem for. Sua identidade é uma descoberta permanente e interminável. Não é casualidade que muitas pessoas cheguem a Valparaíso e nunca mais se afastem do principal porto do Chile.

Atrações de Valparaíso

Morros

Esta é a principal característica de Valparaíso. Na sua geografia se encontra de tudo: desde um cemitério de dissidentes até uma cadeia transformada em centro cultural; desde inovadores e caros hotéis-boutiques até bares de pouca importância. São mais de 40 morros. Os mais conhecidos: Bellavista, Concepción, Cordillera, Polanco e Barón.

Para visitar os morros há que subir enormes escadas ou pegar algum antiquíssimo elevador dos muitos que estão distribuídos no Plan. E logo vem a surpresa. Belos passeios de arquitetura patrimonial e grandes mirantes como o Yugoeslavo, no Cerro Alegre, o Gervasoni e o Atkinson, no Cerro Concepción. Depois o visitante deve se perder nas ruas internas e deixar-se surpreender por escadas e rincões.

La Sebastiana

Trata-se da casa de Pablo Neruda localizada na parte alta do Cerro Bellavista. Foi inaugurada pelo poeta em 1961 e está repleta de pequenos objetos e detalhes que lembram a afeição do artista por colecionar objetos. Aberta sempre ao público, ao lado possui um centro cultural com exibições permanentes de artistas locais. Ferrari 692, Telefone: (32) 2256606

Museu ao Ar Livre

Exibe enormes murais de artistas nacionais consagrados e uma formosa vista panorâmica das casas de Valparaíso. Está no cerro Concepción, a poucos metros da Praça de la Victoria, e os muros de íngremes escadas parecem saudar com pinturas de Nemesio Antúnez, Mario Toral, Roberto Matta, entre outros.

Praça Sotomayor e Muelle Prat

O monumento a Arturo Prat, herói naval do Chile, está no centro deste setor cheio de atividades da Armada e dos trabalhos portuários. Por aqui dezenas de turistas vão ao cais aonde chegam transatlânticos e cargueiros. Outra possibilidade é percorrer a baía em pequenos barcos que os visitantes podem passear por 30 minutos ou uma hora.

Prédios patrimoniais rodeiam o monumento de Prat inaugurado em 1886. O mais chamativo é a antiga Intendência e que atualmente é a Comandância da Primeira Zona Naval. Com cem anos de vida representa um cartão postal obrigatório, assim como também o visitante deve percorrer a feira artesanal do cais Prat e escutar os divertidos comentários de seus donos. É uma boa oportunidade para conhecer de perto a personalidade nacional.

Playa Ancha

Quem nasceu neste morro considera que constitui uma república Independente porque a Playa Ancha possui uma identidade diferente do resto de Valparaíso. Localizada no extremo sul do porto, entre suas atrações destacam-se a praia Torpederas, com interessantes casas do começo do século XX e o estádio Municipal, sede do mítico clube de futebol Wanderers, criado há mais de um século. Neste morro também há campus universitários e virando a esquina espera o bar Roma, símbolo da boemia universitária local.

img_banner