Breve história de Santiago

Onde alguma vez esteve o Caminho do Inca, hoje transitam cinco milhões de pessoas diariamente e se erguem modernos arranha-céus.

jueves, 29 de julio de 2010  
Cerro Santa Lucía Cerro Santa Lucía (Photo:Monumentos Nacionales)

Os povos originários que cruzaram o Caminho do Inca até a beira do rio que hoje se chama Mapocho não imaginariam que 500 anos depois 5 milhões de pessoas povoariam a capital do Chile. Por esse caminho o conquistador Pedro de Valdivia, emissário de Francisco Pizarro, chegou ao vale do Mapocho e fundou Santiago. O nome foi um tributo do conquistador ao apóstolo e santo padroeiro da Espanha. A cidade foi desenhada no estilo espanhol, com uma Praça de Armas no centro e uma rede de ruas em forma de tabuleiro de xadrez.

O povo indígena mapuche resistiu à ocupação espanhola e Santiago foi acossada durante décadas. Em 1609, a cidade recuperou seu vigor quando os colonizadores estabeleceram a instituição judicial da Real Audiência na Praça de Armas. Não obstante, a resistência indígena não era a única ameaça, a terra se agitava e a cidade sofreu vários terremotos. Santiago se reconstruiu uma e outra vez. Durante o século XVIII foram reconstruídos o Palácio de La Moneda, atual sede do governo, a Catedral, a ponte Cal y Canto e os molhes do rio Mapocho que permitiram evitar os transbordamentos das águas.

Em 1810 chegaram os ares da independência e foi criada a primeira Junta Nacional de Governo, a qual começou o processo de emancipação. Santiago se tornou a capital da jovem nação em 1818, ano da independência definitiva. Nessa época, a cidade tinha 45 mil habitantes.

Um decidido desenvolvimento urbano começou com o intendente Benjamín Vicuña Mackenna, que a partir de 1872 levou a cabo um ambicioso programa de remodelação com fundos da exportação mineira. O Parque O’Higgins, o Teatro Municipal, o Clube Hípico e a transformação do morro Santa Lucía em um passeio público foram feitos nesses anos.

Centro de negócios

Ao comemorar o centenário em 1910, foram criadas novas obras como o Museu Nacional de Belas Artes e o trem se expandiu. A população da cidade aumentou de forma significativa e, entre os anos 1907 e 1920 cresceu 53% até somar 510.000 habitantes. Depois, à raiz da depressão econômica internacional em 1929, a migração do campo à cidade aumentou.

Após a crise econômica sobreveio um rápido crescimento como centro financeiro e de serviços. Nos anos 60 foram promovidas novas obras arquitetônicas e de infraestrutura. A circunvalação Avenida Américo Vespucio, que forma um grande anel ao redor da cidade, começou nessa época, assim como também o trem metropolitano, o Metrô, que hoje transporta milhões de passageiros todos os dias.

A partir dos anos 90 se viveu um boom imobiliário com a proliferação de centros comerciais nas principais comunas, e também se construíram modernas estradas urbanas. No setor oriente da cidade há prédios corporativos de grandes empresas e de companhias internacionais. Em pleno século XXI, a capital do Chile é considerada um dos centros de negócios da América Latina.

Descrição Santiago