Território tinto e branco

Antigas adegas e alguns vinhedos rodeados de bairros residenciais lembram o visitante que o Chile é um país de vinhos.

jueves, 29 de julio de 2010  
Viña Concha y Toro Viña Concha y Toro (Photo:Turismo Chile)

Vinícola Concha y Toro

Foi fundada pelo empresário da mineração Francisco Subercaseaux, mas o negócio vitivinícola foi desenvolvido por seu sobrinho, dom Melchor Concha y Toro muitos anos depois. Como um bom visionário, ele importou da Europa não somente novas cepas, mas também a tecnologia com a qual começaram a produzir ótimos vinhos. Todo este passado pode ser observado em terreno, onde se pode percorrer os fantásticos jardins e provar alguns de seus mais famosos vinhos, como o Casillero del Diablo.

Vinícola Cousiño Macul

A entrada para a lagoa desta vinícola é ladeada por uma porta de ferro na qual ressaltam as figuras de Adão e Eva. A mensagem é clara. É a entrada ao Paraíso. E, como não sê-lo? Se este monumental parque, que resume a boa vida da aristocracia chilena durante o século XIX, condensa toda a tranquilidade e esplendor que atualmente são cuidados por oito jardineiros full time. Há vários séculos o lugar era um fértil quinhão inca.

Em 1856 foi comprado por Matías Cousiño, o endinheirado empresário do carvão, com a ideia de criar um parque monumental, mas logo brotou um formoso vinhedo. Nessa época, o paisagista francês Gustave Renner já tinha criado um impressionante parque de 24 hectares no qual ainda se pode observar um cipreste do Líbano, cujo diâmetro pode ser rodeado por 9 pessoas.

Também há ginkos, carvalhos, corticeiras, sequóias e magnólias glandifloras. Ainda que o mais importante seja o vinho, todo tour ao vinhedo percorre os jardins antes de visitar a adega principal e provar maravilhas como o exclusivo Cabernet Almaviva de Cousiño Macul.

img_banner