Telescópio da Humanidade

Organizações internacionais de astronomia no Chile

As excelentes qualidades do Chile motivaram várias organizações internacionais a investir e a instalar-se em solo local.

jueves, 29 de julio de 2010  
Telescopio de la Humanidad Astronomia (Photo:ESO)

No Ano Internacional da Astronomia se comemora os 400 anos desde que Galileu Galilei começou a olhar a imensidão do espaço. O centro encarregado das atividades comemorativas escolheu o slogan “Chile, telescópio da humanidade”. E há motivos suficientes para essa definição.

As pesquisas do Grande Conjunto de Radiotelescópios do Atacama, ALMA começarão a funcionar plenamente em 2012 no planalto de Chajnantor, localizado a mais de 5.000 metros de altitude, com 66 antenas de entre sete e 12 metros de diâmetro. Será possível conhecer a idade do universo, seu tamanho e estrutura; a formação de galáxias; planetas e estrelas em formação e, obviamente, o Sistema Solar.

Os investimentos da Europa, dos Estados Unidos e do Japão para a construção de ALMA superarão o bilhão de dólares.

ESO trabalha no Chile em três sítios astronômicos: La Silla, Chajnantor e Paranal. Neste último a organização europeia montou o complexo óptico mais moderno do planeta: o Very Large Telescope, VLT, composto por quatro telescópios refletores de mais de oito metros de diâmetro e outros três auxiliares móveis.

Carnegie Institute for Science dos Estados Unidos, está instalado no observatório Las Campanas e no início de 2009 concordou, juntamente com outros oito sócios norte-americanos, sul-coreanos e australianos, em construir o Telescopio Magallanes Gigante de 25 metros. Com um investimento de cerca de $ 700 milhões de dólares. Espera-se que inicie suas atividades em 2019.

Além disso, os observatórios do Cerro Tololo e do Cerro Pachón são administrados pelo National Optical Astronomy Observatory, NOAO, uma organização com capitais públicos e privados de origem norte-americana, com sede em Tucson, Arizona, e instalações no Havaí.

 

img_banner