Inovação, ciência e futuro

Biotecnologia no Chile

O país é o centro de negócios do cone sul, reserva mundial da biosfera e vanguarda latino- americana em ciência e tecnologia.

viernes, 30 de julio de 2010  
Biotecnología Biotecnología (Photo:Corfo)

A meados de 2009 a multinacional Syngenta inaugurou um centro de pesquisa avaliado em 20 milhões de dólares no extremo norte do Chile. O clima desértico do Valle de Azapa foi o lugar ideal para as provas de cultivos híbridos em uma estufa de 42 hectares, a mais moderna da América do Sul. Milho, soja e girassol serão objetos de pesquisas com as últimas técnicas sobre luminosidade, umidade, temperatura e irrigação. Este exemplo revela a importância que a biotecnologia está alcançando no Chile.

Este compromisso também existe por parte do Estado. Pouco tempo antes do lançamento da Syngenta em Azapa, o Chile aderiu ao Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes (PCT), ao qual já pertenciam mais de 140 países. Debutou no mundo justamente para proteger a criação biotecnológica de um cientista nacional.

Anteriormente, o país marcou uma decidida presença internacional nesta matéria quando realizou o Primeiro Fórum Global de Biotecnologia 2004 em Concepción, juntamente com a ONU. Assim o país reafirmou seu compromisso com o desenvolvimento deste trabalho integrado pela biologia, medicina, agricultura, indústria e mar, dentre outras especialidades.

Através do organismo estatal CORFO (Corporación de Fomento de la Producción), e mais especificamente com seu programa Innova, o Estado do Chile contribui com 200 milhões de dólares desde 2005. Desta cifra, quase 20% estão reservados para a genômica, graças ao qual mais de uma centena de empresas realizam pesquisas para melhorar os produtos de setores como o frutícola, vitivinícola, salmonero e florestal.

Estes esforços públicos e privados permitiram descobertas com grande potencial, que muitas vezes conseguiram ecoar mundialmente. Alguns aparecem identificados no documento “70 historias exitosas de innovación y ciencia” (70 histórias bem-sucedidas de inovação e ciência) a cargo do fomento da biotecnologia.

Polo de inovação

O Valle de Azapa, perto da cidade de Arica, tem se constituído em um dos polos de maior desenvolvimento da biotecnologia no Chile. À instalação da suíça Syngenta se adiciona empresas como Pioneer Dupont, Sakata, South Pacific Seeds, Massai, Anasac, CIS, Tuniche e Maraseed cujos investimentos se aproximam a 46 milhões de dólares.

O apoio do Estado se materializa através do programa Innova da Corfo (Corporación de Fomento de la Producción). Os recursos da organização têm se concentrado em 14 programas relacionados à melhora do vinho, salmão, fruta e produtos florestais. Trinta e nove grupos de pesquisa e 116 empresas trabalham com o apoio da Corfo.

Segundo as estimativas de Innova, no Chile a indústria da biotecnologia cresce aproximadamente 20% ao ano, especialmente se são adicionados os 17 consórcios tecnológicos que operam no país. Destes, 60% baseiam suas pesquisas nesta disciplina, comprometendo cifras de 132 milhões de dólares.

Os números manejados pela Corfo são simplesmente abundantes já que as firmas especializadas praticamente triplicaram nos últimos quatro anos. Sessenta por cento delas se concentram em melhorias de recursos naturais, enquanto 22% em biomedicina. Além disso, existem 61 centros de pesquisa e 215 grupos de especialistas.

Biotecnologia no Chile

img_banner