Glaciologia

A variada geografia nacional permite que as formações glaciais se desenvolvam pelo norte desde as alturas da Cordilheira dos Andes até os solos da patagônia no sul; condições naturais para o estudo dos glaciais.

martes, 03 de agosto de 2010  
Glaciares Glaciares (Photo:Turismo Chile)

-Um cenário mundial

Entre suas abundantes reservas de água doce do hemisfério sul, o Chile possui os glaciais, que também representam uma das tantas belezas naturais do território. Para a ciência mundial, sua preservação e estudo são temas relevantes, pois constitui um elemento natural no equilíbrio das temperaturas.

Uma cifra superior a 3.100 glaciais cadastrados em mais de 20 mil quilômetros quadrados de superfície prova a transcendência destas formações no país, onde no princípio de 2009 foi aprovada a Política Nacional de Glaciais. Em parte, essa cifra faz com que o Chile seja o país com as maiores reservas de água doce do hemisfério sul.

Paralelamente, existem iniciativas como as impulsionadas pelo Centro de Estudos Científicos (CESC), que tem agendado uma conferência internacional sobre glaciologia e mudança climática na cidade de Valdivia, onde está localizada sua sede, no verão austral de 2010.

Esforços para a conservação

Graças à pesquisa na área da glaciologia (disciplina cientifica que se encarrega de estudar as propriedades e comportamentos destes) se realizou um cadastro de todos os glaciais do Chile.

Em abril, as autoridades do meio ambiente aprovaram a Política Nacional de Glaciais, cujo principal objetivo é proteger e conservar este recurso.

Através deste texto, o Estado do Chile “reconhece a importância estratégica destes ecossistemas para o país, os define em seus aspectos centrais e estabelece as principais ações para garantir sua adequada conservação”.

Entre os desafios desta iniciativa, está a elaboração de um registro oficial de glaciais que será atualizado regularmente com informação científica sobre mudanças históricas, seu estado atual e tanto sua evolução futura quanto sua influência no ecossistema. Também, se criarão modelos de cenários climáticos locais onde existam glaciais, com o objetivo de determinar a vulnerabilidade de sistemas naturais e o seu nível de adaptação ao aquecimento global.

Um dos avanços mais importantes que tendem a cuidar o meio ambiente é que os projetos de investimento onde tenham glaciais envolvidos deverão entrar ao Sistema de Avaliação de Impacto Ambiental, coisa que antes não era um requisito. Uma particularidade da nova política é que em alguns casos se poderia permitir o uso sustentável dos glaciais.

A isso se adicionam iniciativas de organizações estatais, como a Dirección General de Aguas (DGA), que recentemente criou a Unidade de Glaciais e Neves, que pretende implantar um sistema para monitorizar estas grandes reservas de água doce. Por outra parte, o Sistema Nacional de Áreas Silvestres Protegidas (Snaspe) se encarrega da proteção da maioria dos glaciais localizados na zona austral, onde se encontram os maiores da América do Sul.

img_banner