Punta Arenas, o porto magallánico

Junto ao Estreito de Magalhães, a cidade conta histórias de colonos e nativos frente à mágica Terra do Fogo.

miércoles, 04 de agosto de 2010  
Punta Arenas Punta Arenas (Photo: Municipalidad de Punta Arenas)

A maior cidade da Patagônia e uma das mais austrais da América, atualmente é habitada por 130 mil magallánicos, cujos ancestrais tomaram posse deste enclave em 1848. Com um centro histórico de magníficas mansões centenárias, herança do período fazendeiro mais produtivo da Patagônia.

Atualmente a cidade está localizada a 3.115 km ao sul de Santiago, é a capital regional e principal porto do famoso Estreito descoberto pelo navegante português Fernão de Magalhães em 1520. Moderna e com suficientes atrações, apesar da grande distância da capital do Chile, convida a dar uma volta por seu centro e pelas grandes áreas comerciais como a Zona Franca que oferece descontos.

É recomendável caminhar pelo parque localizado na Avenida Colón, com suas enormes árvores cortadas em formas circulares e cuja rota chega ao mar. A presença do Estreito de Magalhães é vital. Toda a cidade se comunica com o mundo principalmente por esta via que foi utilizada pela marinha mercante até a criação do canal do Panamá. Atualmente o porto é ocupado por grandes navios e transatlânticos turísticos que fazem escala na cidade.

A poderosa natureza de Punta Arenas também merece ser mencionada. Várias reservas nacionais a circundam. Durante cada estação a zona provoca diferentes sensações: os ventos da primavera geram rajadas de mais de 100 km por hora; no verão o clima é benigno, não é tão intenso, mas com fortes radiações solares: o outono anuncia que as florestas de lengas mudarão do verde ao vermelho, provocando um maravilhoso espetáculo, e no inverno os picos ficam nevados e permitem esquiar nas ladeiras com uma privilegiada vista ao mar.

Atrações da cidade

Em todo lugar existem certos ritos ineludíveis. Em Punta Arenas é obrigatório beijar o pé do índio selknam na praça Muñoz Gamero, que é parte da escultura em homenagem a Fernão de Magalhães. Diz-se que o beijo garante o regresso à Patagônia. O monumento está no centro da praça Muñoz Gamero, a principal da cidade, que possui antigas coníferas que enfeitam o ambiente da mesma forma que o quiosque vitoriano de 1912 que contém um centro de informações turísticas. Os prédios que rodeiam a praça possuem uma singular fama: a Catedral, o Club de la Unión e a Intendência, entre outros, deram-lhe o título de Zona Típica.

Na orla marítima há duas zonas onde se pode sentir o Estreito de Magalhães. Ambas começam no setor portuário localizado a três quadras da Praça Muñoz Gamero. Para o norte se recuperou a orla marítima e há uma série de estátuas referentes à Patagônia que enfeitam o limite com o mar. No sul, por outro lado, localizam-se os bairros da Armada, o Parque María Behety, com pistas de patinação no gelo durante o inverno e os restos da antiga fragata inglesa Lord Lonsdale. Ambos os percursos apresentam formosas vistas panorâmicas da Terra do Fogo.

O Palácio Sara Braun: é considerado uma jóia arquitetônica. Foi construído com estilo europeu entre os anos 1895 e 1899. Foi o lar de Sara Braun, uma das mulheres mais poderosas na Patagônia do século XIX.  A construção é de estilo neoclássico, um luxuoso palácio que ainda possui pinturas no teto, móveis originais, marchetarias francesas e esculturas. Atualmente ali funciona o Club de la Unión e um hotel.

Punta Arenas possui um importante legado patrimonial. O Museu Salesiano conta com exposições de artesanato indígena, flora e fauna, etnologia e mineralogia; o Museu Naval guarda parte do grande tesouro histórico desta parte do mundo e uma réplica de um buque completo; o Museu Militar possui mostras das campanhas da soberania e no instituto da Patagônia, centro intelectual regional, encontra-se o Museo del Recuerdo, com máquinas, ferramentas e carruagens do período dos colonos. Recomenda-se visitar também o Museu Regional, antigo Palácio Menéndez, que possui grandes coleções arqueológicas como Fell e Marazzi. Junto a estas últimas, destacam-se coleções bibliográficas, etnográficas e fotográficas.

Localizado na Reserva Forestal Magallanes e com uma superfície total de 209 hectares, das quais aproximadamente 18 correspondem à área de esqui, o morro Mirador é o centro de esqui mais austral do país. Localizado a 9 km de Punta Arenas, possui 11 pistas com a altura máxima de 600 metros, fato que proporciona a principal característica do lugar: uma vista espetacular do Estreito de Magalhães e da Terra do Fogo. Durante o verão há trilhas de trekking, mountain bike e canopy para a prática esportiva.

Inaugurado em 1894, o cemitério de Punta Arenas possui enormes mausoléus, alguns muito pomposos como o de José Menéndez. Além disso, também tem pinheiros cortados em formas geométricas que dão um ar muito enigmático. Ideal para os fotógrafos.

Atrações próximas

O forte Bulnes foi construído no lugar onde o exército chileno tomou posse do Estreito de Magalhães em 1843, sob o mandato do presidente daquela época, Manuel Bulnes. Foi rapidamente abandonado após a constituição de Punta Arenas. É Monumento Nacional e encontra-se a 55 km ao sul da cidade.

Pali Aike Encontra-se a 192 km a leste de Punta Arenas e significa País do Diabo em língua tehuelche, povo que habitou a zona até a chegada da colonização ocidental. O parque nacional que tem esse nome é um dos pontos menos conhecidos nas proximidades de Punta Arenas. Possui 5030 hectares protegidos na fronteira com a Argentina. A paisagem é estepe fria patagônica. No seu território foram descobertas ossadas humanas datadas de 9 mil anos.

Aqui você pode admirar a Caverna Pali Aike, o vulcão Morada del Diablo, além de observar fendas e formações de lava basáltica do Escorial del Diablo. Há quatro trilhas de trekking de até 2 km de extensão, sendo necessário levar sapatos adequados. O Estado está solicitando que este lugar seja Patrimônio da Humanidade.

O seio Otway é um dos melhores pontos no continente para a observação dos pinguins magallánicos, Spheniscus magellanicus. São 60 mil colônias que chegam à zona para procriar entre os meses de outubro a março. Há varias trilhas para visualizar a atividade destas aves. Além disso, pode-se avistar outros animais como emas, caiquenes, flamingos, cisnes, gaivotas, raposas, chingues e ratões-do-banhado. O seio está localizado a 70 km ao norte de Punta Arenas.

A 52 km de Punta Arenas se localiza a lagoa Parrillar, uma reserva nacional de mais de 18 mil hectares das quais 970 correspondem à bacia lacustre. Realizam-se trekkings até o rio San Juan e passeios de canoa.

img_banner