Geografia

Louca geografia

Não há muitos países que, em um mesmo território ofereça montanhas, glaciares, desertos, florestas frias, salinas, praias, fiordes e gêiseres.

viernes, 06 de agosto de 2010  
Geografía (Photo: Sernatur)

Poucos países têm a diversidade geográfica do Chile. É um país essencialmente montanhoso, marcado por duas grandes cadeias: a dos Andes, que se estende por todo o país, criando uma fronteira natural com a Bolívia e a Argentina; e a Cordilheira da Costa, bem assentada entre os Andes e o Pacífico.
A Cordilheira dos Andes é a segunda cadeia montanhosa mais alta do mundo, depois da do Himalaia, e se estende ao longo de toda a América do Sul. No Chile, seu percurso começa no extremo norte e chega até o extremo sul.
Na cordilheira dos Andes há vulcões permanentemente ativos. Pesquisas confirmam que, devido a sua intensa atividade geológica, a cordilheira se eleva e se torna mais estreita a cada ano.
O Chile é um país tri-continental porque, além do seu território no continente americano, está presente entre os meridianos 53º O e 90º O da Antártida, e na Oceania com a ilha de Páscoa, um dos principais destinos turísticos do país. O país tem uma superfície total de 2.006.950 quilômetros quadrados

Altiplano

Destaca-se o altiplano, uma grande planície em altura, compartilhada pela Bolívia, Chile, Peru e Argentina, cuja característica são os grandes picos- geralmente vulcões - de mais de 6 mil metros de altura.
Neste planalto o clima é extremo, mas a diversidade de flora e fauna é impressionante. A altitude representa uma dificuldade no momento de viajar ao planalto. Para prevenir mal-estares pela falta de oxigênio próprio das alturas, é recomendável beber chá de chachacoma e, sobretudo, evitar os movimentos rápidos ou correr.
Aos pés do altiplano, se estende o Deserto do Atacama, o mais seco do planeta. Ao contrário do Saara, é montanhoso e em alguns lugares não chove há 400 anos.
Algumas atrações: aprazíveis banhos termais, imponentes salinas, doces vulcões e estranhas formações geológicas.

Vale Central

Em direção ao centro e ao sul do país, aparecem os vales verdes que são especialmente férteis para a indústria vitivinícola. Recomenda-se percorrer as Rotas do Vinho para conhecer vinícolas, degustar deliciosos mostos e se empapar na antiquíssima tradição produtora.
Os vales mais  férteis são o Maipo, Casablanca, Maule e Cachapoal
O sul é sinônimo de rios, lagos e florestas chuvosas que se estendem em uma densa mata fria, com árvores milenares, além de ilhas, fiordes e glaciares que impressionam.

A Patagônia

O extremo sul do país, também chamado de Patagônia, se caracteriza por suas estepes, ilhas, estreitos, fiordes e cabos; com lugares que merecem ser conhecidos, como a Carretera Austral,  Tierra del Fuego, o Parque Nacional Torres del Paine e Campos de Hielo, com picos que ainda não foram conquistados por nenhum montanhista. O viajante se sente pequeno ante tão soberba natureza.

O território continental chileno chega até Cabo de Hornos, um território de clima duro, fortes ventos e chuvas. É a terra do fim do mundo; cenário de romances, marinheiros e naufrágios.
Do Cabo de Hornos até a fronteira com o Peru  são 10 mil quilômetros de costa e praias, com águas normalmente frias devido à Corrente de Humboldt. Menos aconchegantes para o banho, mas ótimas para a proliferação de finos moluscos como machas e locos.

img_banner