Guia de atrações

Turismo astronômico: uma viagem às estrelas

Há céus no norte do Chile nos quais é possível ver mais do que em qualquer outro ponto do planeta.

lunes, 09 de agosto de 2010  
Gemini Gemini (Photo: NOAO)

Carlos Corco era uma criança de 12 anos quando começou a observar as estrelas com um pequeno telescópio. Desde então, nunca deixou de fazer isso. E agora, de segunda a sábado recebe grupos de turistas e amadores da astronomia que chegam ao cerro Mayu, no vale do Elqui e os guia para que observem o cosmos no melhor céu do hemisfério sul.


Para numerosos habitantes do norte do país, contemplar o universo é uma coisa quase natural. No Vale do Elqui se registra uma média de mais de 300 dias de sol ao ano, sem nuvens. Os observatórios Tololo e La Silla são dos mais importantes do mundo.


Aqui o interesse não é somente dos astrônomos, mas também de milhares de turistas que viajam para ver a maravilha do universo.

Os céus da Região de Coquimbo tornaram-se uma atração singular. Jorge Fernández, um dos encarregados do Cerro Mayu, diz que mais de 4.500 pessoas visitaram o observatório turístico durante 2008, 10% a mais que no ano anterior. “Recebemos franceses, alemães, espanhóis e mexicanos que se dedicam à astronomia quase como um passatempo”, explica Fernández.

Mayu não é o único destino: também estão Mamalluca em Vicuña, e Collowara, em Andacollo.

Os impecáveis céus do norte


“Antes, nos mostravam o céu estrelado com uma lanterna. Agora, os guias usam modernos raios laser verdes e assim apontam as estrelas e ensinam os seus nomes, como o Cruzeiro do Sul, ou o Cinturão de Orion. É espetacular”, relata Alejando Gonzáles, estudante universitário de 21 anos, após visitar  Mamalluca.


O desenvolvimento do turismo astronômico é evidente. Gonzáles já esteve três vezes no observatório e não duvida em compará-lo com o novo observatório astronômico da Universidade Metropolitana de Ciências da Educação em Santiago. “No norte, a qualidade da noite é diferente” e, ao mesmo tempo, explica que para poder ver melhor é preciso apagar os faróis dos carros. Na capital, a poluição luminosa torna muito difícil uma observação mais detalhada.


Houve tanta demanda pelo astroturismo na Região de Coquimbo, que alguns municípios fizeram modificações para combater a poluição luminosa. Após um rigoroso estudo, Vicuña foi a primeira cidade chilena em mudar seu sistema de iluminação. Em 2002, foram instaladas lâmpadas mais eficientes energeticamente com uma cor menos prejudicial à observação. O beneficio foi notável para os observatórios profissionais e turísticos, e também para os municípios, porque diminuíram seus custos energéticos. “Atualmente, o plano de Vicuña está sendo aplicado como norma na Argentina”, diz Jorge Fernández.


A 18 quilômetros dessa cidade, a empresa Astronómica del Sur, terminou de construir o observatório do Pangue, cujo principal objetivo será receber os visitantes internacionais.


Circuitos astronômicos


Para uma ótima observação, o céu deve estar aberto e não deve ser noite de lua cheia. Quanto mais escuro, melhor.


Em La Serena, Vicuña e Andacollo existem agências de turismo encarregadas especialmente das viagens, incluindo o transporte, a comida e o equipamento de observação para os turistas.  Fazem visitas guiadas por profissionais e astrônomos amadores, pessoas preparadas para conduzir os grupos até diversos observatórios e proporcionar-lhes palestras educativas básicas sobre o universo e as galáxias.

Há pouco tempo, o observatório Cancana, da localidade de Cochiguaz localizado a 1.500 metros acima do nível do mar, se somou com um investimento de US$ 60 mil.


Observatório Cerro Tololo: é de alto nível científico; está a 87 quilômetros a leste de La Serena, e a 2.200 metros acima do nível do mar. Tololo possui oito telescópios e um radiotelescópio. Tem guias que falam espanhol e inglês, e o tour dura duas horas aproximadamente. Cada tour é para 50 pessoas e as visitas devem ser marcadas com um mês de antecedência, ligando para (56) 51-205200.


Observatório La Silla: está na comuna de La Higuera, a 156 quilômetros ao norte de La Serena, e a mais de 2.400 metros acima do nível do mar. Possui 14 telescópios ópticos de espelhos de até 3,6 metros de diâmetro e um radiotelescópio de 15 metros. O equipamento de La Silla torna-o um dos maiores e mais moderno centro internacional de observação astronômica. Cada tour tem uma duração de três horas e a reserva deve ser feita com pelo menos um mês de antecedência, ligando para (56) 2-4633280 ou enviando uma mensagem ao correio eletrônico: recepstg@eso.org.


Observatório Turístico Mamalluca: foi criado em Vicuña por uma iniciativa do Clube de Aficionados à Astronomia. Depois disso, o município do lugar decidiu materializar este projeto que teve o apoio da empresa Capel, do governo regional, da comunidade e do Observatório Interamericano de Cerro Tololo. Os tours começam às 18.30 no inverno e às 20.30 no verão, todos os dias do ano. Há um tour de astronomia básica e um tour de exposições da cosmovisão dos incas e indígenas. As reservas podem ser feitas ligando ao (56) 51-411352,  51-411352  ou ao correio eletrônico mamalluca@munivicuna.cl. Pode encontrar mais informação no site: www.mamalluca.org.


Observatório do Pangue: está a 18 quilômetros de Vicuña e tem programas para o público em geral, como o Tour Astro que dura duas horas, e para os aficionados que queiram fazer suas próprias observações utilizando os telescópios sem restrições de tempo. As reservas podem ser feitas ao telefone (56) 51-543810.


Observatório Turístico Collowara: é propriedade da Municipalidade de Andacollo e está a 1.300 metros acima do nível do mar, no pico do cerro Churqui. Tem poderosos telescópios Schmidt Casegrain de 14 polegadas, uma sala de projeções para palestras e três terraços de observação direta em forma de cruz direcionados ao leste. A visita tem uma duração de duas horas e pode ser coordenada ligando ao telefone (56) 51-432964, ou ao correio eletrônico contacto@collowara.cl.


Observatório Cruz del Sur: Este é um dos maiores centros de astroturismo da América do Sul. Está situado na localidade de Combarbalá, na região de Coquimbo. O projeto foi promovido pelo município de Combarbalá e pelo Planetário da Universidade de Santiago do Chile. Tem cúpulas e domos de observação com telescópios de 16 polegadas e salas de exposição. O escritório e venda de entradas fica na Ilustre Municipalidade de Combarbalá, Plaza de Armas nº 166. Telefones: (56 - 53) 741033 (56 - 53) 741007. Para mais informação visite o site na internet .


Observatório Cerro Mayu: está a 30 quilômetros de La Serena. Nasceu como uma iniciativa do sacerdote Juan Picetti. Tem um telescópio Schmidt Cassegrain Meade LX200 de 14 polegadas, e recebe visitantes de segunda a sábado, entre as 20:30 e as 22:30 horas. Para mais informação e reservas, ligue aos seguintes números: (56) 51-224508 – 212024, ou escreva ao correio eletrônico: informaciones@cerromayu.cl.

 

Observatório Paranal:  está situado no povoado de Taltal, na Região de Antofagasta, e a 2.635 metros acima do nível do mar. É operado pela European Southern Observator (ESO) e possui o Very Large Telescope Project (VLT, literalmente Telescópio Muito Grande), um sistema de quatro telescópios ópticos separados, rodeados por vários instrumentos menores. As visitas turísticas são feitas nos dois últimos sábados de cada mês, a partir das 14 horas. As vagas são limitadas e as reservas devem ser feitas ligando para (56) 55-281291 ou por correio eletrônico a sstrunk@eso.org.

img_banner