Por que o Chile?

Três décadas de liberdade econômica e incentivos ao empreendimento fizeram do Chile uma das economias mais pujante, estável e aberta do mundo. O investimento estrangeiro é um eixo fundamental do seu desenvolvimento.

Neste país, empresários e empreendedores de diferentes partes do planeta encontram segurança institucional, mecanismos jurídicos estáveis, claros e igualdade de tratamento.

Devido a suas condições, o Chile é um lugar ideal para as atividades de empresas multinacionais, de astronomia e, inclusive, para os estúdios de Hollywood.

jueves, 09 de septiembre de 2010  

A economia chilena se baseia em uma estabilidade sustentada na fortaleza de suas instituições e na responsabilidade de suas autoridades. A imprensa especializada mundial e diversos organismos multilaterais posicionaram o Chile como um dos países mais confiáveis para investir.

É o caso do Fórum Econômico Mundial, que colocou o país como o principal facilitador do comércio na América Latina, na 19ª posição do ranking mundial entre 121 países. The Economist teve uma visão similar, posicionou o Chile entre as 20 nações melhor preparadas para fazer negócios dentre as 82 principais economias do mundo.

A chilena foi catalogada como uma das economias que melhor resistiu à crise financeira mundial desatada em 2008. Uma prova disso, é que nem a mais pessimista das análises realizadas até meados do ano, pelas agências mais consideradas, lhe outorgava uma queda maior que 1% do seu Produto Interno Bruto (PIB).

Progresso sustentável

No início dos anos 90, o retorno da democracia significou não somente reivindicar sua centenária tradição republicana, bem como também o estabelecimento, sem precedentes, de uma ampla rede internacional de acordos comerciais vigente até a atualidade. Na maioria dos casos também superam o âmbito puramente tarifário. Trata-se de mais de 20 tratados assinados com países como Estados Unidos e China e também com blocos, como o que conseguiu com a União Europeia.

O Chile é um poderoso exportador de minérios e florestal, e também um ofertante validado internacionalmente em tecnologia, desde as descobertas realizadas no polo astronômico desenvolvido no árido deserto do Atacama até os videogames criados em pequenos escritórios de Santiago, passando pela rica atividade de todos os seus cientistas.

De mãos dadas com o progresso, foram também melhorando várias de suas cifras macroeconômicas. Por exemplo, a quantidade de pessoas abaixo da linha da pobreza diminuiu 13 por cento nas duas últimas décadas e mais de dois terços do orçamento público vão para programas sociais. Durante esse mesmo período, o acesso dos jovens à universidade quadriplicou, passando de 10% a 40%.

Um fator preponderante no bom desempenho da economia nacional tem sido as políticas de austeridade implementadas pelo Estado nos momentos de bonança. Prova disso foram os bônus soberanos colocados no exterior com dinheiro proveniente das remessas do cobre –o principal produto nacional- para redistribuí-lo nos tempos de escassez.

No Chile, as condições para o investimento são amplamente reconhecidas e vão desde o moderno sistema impositivo para as empresas e a qualificação dos recursos humanos até a conectividade que sua infraestrutura e telecomunicações permitem, além da qualidade  de vida que suas cidades oferecem para o trabalho, o estudo ou o turismo.

Para saber mais detalhes sobre as características da economia nacional, visite a seção 10 vantagens para fazer negócios no site thisisChile.cl.

Destacado na Página Principal

img_banner