Será construído no norte do Chile

Grandes avanços para a astronomia mundial permitirá o E-ELT no Chile

Diretor do projeto detalhou uma série de vantagens que vai trazer, para a ciência, a instalação no país do maior telescópio já construído.

viernes, 24 de septiembre de 2010  
Grandes avances para la astronomía mundial permitirá el E-ELT en Chile El astrónomo italiano Roberto Gilmozzi afirmó que el telescopio en Chile revolucionará la ciencia del espacio

Manter a liderança astronômica mundial que o Observatório Europeu Austral (ESO) tem ostentado nos últimos anos é somente um dos objetivos do European Extremely Large Telescope (E-ELT), o maior telescópio do mundo que será construído a partir do próximo ano no cerro Armazones, no norte do Chile.

Assim explicou Roberto Gilmozzi, astrônomo italiano que dirige o projeto, através de uma videoconferência da Alemanha. Além disso, indicou que o telescópio permitirá uma série de avanços para a astronomia mundial que modificará o panorama atual desta disciplina científica.

Entre estes, destacou a busca de novos planetas e estrelas, bem como também a captura de imagens nítidas que permitam decifrar se existe vida em outros lugares do universo. Da mesma forma, os especialistas poderão buscar respostas para complexos problemas relacionados com a energia e com a matéria escura, fenômenos dos quais, na atualidade, se tem um conhecimento praticamente nulo.

Além do mais, os astrônomos poderão medir diretamente a velocidade de aceleração da expansão do universo  e captar objetos muito frágeis e afastados da Terra.

Nesta última tarefa, a ótica adaptativa que faz parte do equipamento deste telescópio jogará um papel fundamental. Basicamente, esta função será encarregada de resolver problemas que se apresentem quando a luz de um objeto afastado entrar na atmosfera, momento no qual se produz uma turbulência e se modifica a direção da mesma. Com esta ótica adaptativa, se poderá medir esta distorção e determinar uma luz similar prévia ao ingresso à atmosfera.

Mas isso não será tudo. Para otimizar mais ainda o rendimento do moderno e complexo instrumento, este será dotado de uma série de ferramentas científicas capazes de serem implementadas em uma noite e que terá a habilidade para acoplar-se às diferentes condições climáticas do céu, através do qual se poderá obter uma eficiência superlativa.

Aproveitando a proximidade com o VLT, telescópio que se encontra no observatório Cerro Paranal, será elaborado um sistema de energia a gás que permita alcançar 10 megawatts, necessários para estruturar uma completa rede da qual os astrônomos dos 14 países que integram o ESO poderão obter informações, bem como também os profissionais chilenos.

Para evitar danos em consequência da ação da natureza, a cúpula do E-ELT estará desenhada com material antissísmico capaz de resistir magnitudes similares às do terremoto de 27 de fevereiro, que afetou a zona central do país.

Na videoconferência participaram representantes das indústrias do software e da construção, acadêmicos e estudantes de astronomia, que serão diretamente  beneficiados com a instalação deste telescópio. Inclusive em termos acadêmicos, o ESO estabeleceu uma série de convênios com universidades chilenas destinados a facilitar a participação ativa dos astrônomos chilenos durante a etapa de construção do E-ELT.

Espera-se que o novo instrumento do ESO no Chile seja habilitado em 2019 e que nele trabalhem cerca de 150 pessoas.

img_banner