Turismo cultural

Visite a Araucanía chilena e viva uma maravilhosa aventura natural e tradicional

Geralmente os visitantes viajam ao sul do Chile para conhecer os lugares turísticos mais espetaculares, como seus lagos e vulcões, suas montanhas e sua singular flora. No entanto, às vezes esquecem que este também é um país de pequenos vilarejos e de gente extraordinariamente acolhedora. Melipeuco e o parque nacional Conguillío oferecem a oportunidade única de viver ambas experiências em um só lugar.

lunes, 08 de noviembre de 2010 Categoría: Parques Nacionais
Casa típica de Melipeuco. Casa típica de Melipeuco.

Melipeuco é um pequeno povoado localizado aos pés do vulcão Llaima (de 3 mil metros de altura) e é o mais fácil ponto de acesso ao Parque Nacional Conguillío. Saindo de Santiago se pode chegar a este vilarejo depois de viajar a noite inteira em ônibus. Na parte sul de Conguillío se encontra o Llaima, um dos vulcões mais ativos do Chile, com frequentes erupções registradas desde o século 17 até 2009. Com suas paisagens vulcânicas, lagoas azuis e grandes extensões de bosques de araucária – árvore característica de Los Andes-, o Parque Nacional Conguillío oferece algumas das paisagens mais impressionantes da região e saindo de Melipeuco se pode visitar e passar o dia.

 

Caminhonetes e jeeps antigos transitam pela rua principal de Melipeuco, rodeada por um punhado de velhos estabelecimentos comerciais de madeira. Nas ruas laterais, os moradores possuem pequenas hortas nos quintais e estão sempre dispostos a conversar com os estranhos que lhes perguntem sobre seus cultivos. A maioria das pessoas de Melipeuco –ao redor de 2 mil– nasce e cresce aqui, sob a onipresença do vulcão.

 

Se sente como se Melipeuco fosse o vilarejo mais remoto do  Chile, com o seu vulcão e o fresco olor a pinheiro. No entanto, se pode chegar facilmente ao povoado em um ônibus que custa $1.000 pesos chilenos (US$2) e que sai da rodoviária de Temuco (de Santiago se encontra a nove horas em ônibus, e a duas horas em avião), cruzando as verdes paisagens da região.

 

Mesmo na alta temporada são poucas as pessoas que param em Melipeuco, apesar de estar a somente 12 quilômetros da entrada ao Parque Nacional Conguillío. Este parque foi fundado em 1940 para proteger a árvore nacional, a araucária, e é parte de 32 parques nacionais, 36 reservas nacionais e 25 monumentos nacionais que compõem 14 milhões de hectares de terras protegidas. Esta árvore, que dá o nome administrativo à IX Região (“da Araucanía”) cresce somente nas baixas ladeiras dos Andes em uma área específica do sul do Chile. Seus galhos com folhas verdes de aspecto escamoso se estendem até a ponta, parecendo um guarda-chuva. São árvores bastante longevas: a araucária mais antiga em Conguillío tem 1.800 anos.

 

A pesar de o caminho do povoado ao parque ser longo e quase sempre ascendente, é o passeio ideal para fazer trekking, já que atravessa fazendas e comunidades do principal grupo indígena na zona: os Mapuches. Também se pode chegar ao parque em táxi e em colectivo- espécie de táxi que tem um percurso pré-determinado e se divide com outros passageiros, que transitam entre o povoado e o centro do parque na Laguna Conguillío. Um táxi cobra por volta de $20.000 pesos chilenos (US$40) já de colectivo, este preço se divide entre quatro ou cinco passageiros. Por outro lado, é muito frequente que veículos parem e deem carona aos mochileiros que vão ao parque de maneira segura.

 

Uma vez em seu interior, o Parque Nacional Conguillío oferece paisagens belíssimas. Um campo de dunas de cinzas se estende sobre a base do nevado Llaima até as margens da lagoa de águas turquesa. Mais adiante, exuberantes samambaias e árvores de lenga proporcionam sombras à estrada, enquanto que, em uma altura maior, uma abundância de araucárias se estende colina abaixo por inclinadas pendentes até a Laguna Conguillío na base das montanhas, que na realidade são vulcões inativos.

 

Todas as principais atrações do parque estão conectadas por uma rua em bom estado e fácil de transitar, além de contar com trilhas claramente sinalizadas segundo o seu nível de dificuldade, que vão da lagoa a outras vistas panorâmicas.

 

O valor da entrada ao parque para os adultos estrangeiros é de $4.000 pesos chilenos (US$8) e $2.000 pesos chilenos (US$4) para as crianças. Os campings instalados ao redor da lagoa (administrados pelo governo) cobram desde $4.000 pesos chilenos (US$8) aos mochileiros, e até $70.000 (US$140) por um chalé grande. O eco-lodge La Baita, perto da entrada do parque, oferece alojamento em habitações e em chalés com acesso a um restaurante e a atividades organizadas pelo staff do hotel.

 

O parque é perfeito para realizar caminhadas, mas passar a noite em Melipeuco oferece a oportunidade de desfrutar da cozinha tradicional mapuche em El Ruko, uma pequena pensão atendida por sua dona, a senhora Susana Higuera Baeza. Situada em Galvarino 063, exatamente ao sul da avenida principal do povoado, a pensão da Sra. Higuera é simples, pequena e limpa. Há água quente no banheiro coletivo e as camas são muito confortáveis.

 

Por um pouco mais de dinheiro, a Sra. Higuera lhe oferecerá uma farta comida mapuche tradicional preparada com ingredientes da região como digueñes (um cogumelo suave de cor laranja que cresce nos galhos das árvores) e pinhões (o fruto da araucária). Durante as tranquilas noites, a dona se senta na aconchegante copa localizada na parte da frente da casa e conversa sobre o povoado, o vulcão, as tradições gastronômicas dos Mapuches e a cultura Mapuche da Araucanía. De manhã lhe servirão um prato de ovos fritos, pão, café e um pequeno pedaço de queijo de cabeça cacero (“queijo de porco”, como se diz no Chile). Todo o serviço, em temporada alta, não custa mais de $10.000 pesos chilenos (US$20).

 

Pode-se conseguir mapas atualizados do Parque Conguillío nos escritórios da Conaf, na entrada do parque. Para mais informação sobre o parque, as trilhas e as alternativas para alojar ingresse a www.conaf.cl.

 

A pensão “El Ruko” não possui uma página web, mas pode entrar em contato com a Sra. Higuera pelo telefone celular +56 9 8386 3525              +56 9 8386 3525 ou por correio eletrônico a tutana_f@hotmail.com.