Ao redor de La Reina e de Las Condes

Redescobrindo Santiago: uma cavalgada pelas montanhas

Los Andes pode parecer longe da dinâmica capital do Chile, mas após uma curta viagem é possível cavalgar pelos picos que circundam a cidade.

miércoles, 10 de noviembre de 2010  
Los caballos criollos son "rápidos, fuertes y ágiles en las montañas", dice Nina. Los caballos criollos son "rápidos, fuertes y ágiles en las montañas", dice Nina.

Sentados em selas de montar parecidas a uma poltrona de pele de ovelha, mais próximo das nuvens que da cidade, é muito difícil acreditar que estamos somente um pouco além do Metro de Santiago. Este é o encanto da capital chilena: uma metrópole moderna onde arranha-céus brilhantes se levantam ao lado de estruturas coloniais a poucos minutos dos silvestres e nevados Andes.
 
Estamos a cavalo, em um passeio pelas verdes colinas dos Andes que chegam até o lado leste de Santiago. A fazenda onde se encontra Cabalgatas Santiago localiza-se à margem das comunas de La Reina e Las Condes, onde o ruído e a confusão do centro dão lugar a amplas avenidas, lindos complexos de apartamentos, zonas de jogos infantis e fileiras de encantadoras casas de um andar que caracterizam este bairro residencial da cidade.
 
Rumo à natureza
 
Para um estrangeiro, uma cavalgada pelas montanhas a só 35 minutos do centro da cidade é uma experiência tão estranha quanto encantadora. Pode-se chegar através do eficiente transporte público pegando a linha 1 do Metro até a estação Los Dominicos e, logo depois, fazer uma curta viagem de ônibus ou de táxi. Se tivesse que viajar, pela mesma quantidade de tempo, para fora de Londres ou Nova York ainda estaria na mesma selva urbana. Mas ao descermos na pequena estação de ônibus em La Reina, encontramos huasos a cavalo andando pelas terras campestres detrás das árvores. Hoje é dia de rodeio: estamos a uma hora do centro financeiro e já estamos no campo. 
 
Na verdade ainda não é aqui o nosso destino final: Cabalgatas Santiago se encontra mais além onde o asfalto se converte em uma ruazinha de terra. Passando pela vegetação fresca devido às ocasionais chuvas de primavera, chegamos a um amplo celeiro de madeira com cavalos amarrados na parte de fora, ao sol.
 
“Os cavalos são a minha paixão”
 
Nina Stumpf nos recebe. É uma alemã esbelta, amigável e simples que dirige Cabalgatas Santiago. Ela se mudou para o Chile há 12 anos com o seu marido e seus dois filhos. Toda a família se apaixonou pelo lugar e, desde então, vivem aqui. Há quatro anos Nina, que sempre foi apaixonada pelos cavalos, começou o seu próprio negócio de cavalgadas. E estas ão as únicas facilmente acessíveis a partir do centro da cidade.
 
“Os cavalos são a minha paixão”, afirma Nina, que compra, cria e treina seus próprios animais e atualmente tem dois potros recém- nascidos correndo pelo curral e uma outra cria a caminho. “Durante 30 anos vivi e trabalhei com eles. Em Santiago posso estar próximo dos meus cavalos e desta impressionante paisagem natural. Para compartilhá-lo, montei este negócio oferecendo cavalgadas e aulas de equitação”.    
 
Nas aulas e no cerro
 
Os cavalos de Nina são todos criollos nativos chilenos, são meigos e inteligentes e se sentem tão confortáveis na meia lua do rodeio quanto nas trilhas das montanhas. “Os cavalos chilenos são maravilhosos”, diz Nina. “São rápidos e fortes, nas montanhas da cordilheira se mostram bastante ágeis e, o melhor é que têm um caráter excelente”.
 
Os cavalos são tão tranquilos e adaptáveis que Nina organiza passeios e aulas para crianças a partir dos 8 anos, bem como também para adultos principiantes. Um curso de quatro aulas de uma hora cada, realizado na circunferência de equitação custa $50.000 pesos chilenos (US$120) por criança, com cursos para adultos também disponíveis.
 
Os passeios de montanha variam entre $20.000 pesos chilenos (US$40) por pessoa por duas horas de cavalgada através das verdes colinas dos Andes, a $90.000 pesos chilenos (US$185) por um passeio privado durante todo o dia pelos vales onde se podem ver águias, raposas e condores. Para os aventureiros, há cavalgadas noturnas e passeios durante a noite, sempre que o clima o permita.    
 
Santiago vista de cima
 
Atualmente estamos fazendo uma viagem de duas horas pelos cerros acima de Las Condes. Os cavalos sobem por um caminho íngreme durante os primeiros quinze minutos até que a trilha se nivela e então podemos dar a volta para ver Santiago inteira se estendendo sob os nossos pés. É uma vista única, muito mais espetacular que as tradicionais vistas panorâmicas que se tem do cerro Santa Lucía e as do San Cristóbal, no centro da cidade. À nossa direita se encontra o exclusivo bairro de Vitacura, onde uma solitária janela de um arranha-céu reflete o sol e brilha como uma estrela na tarde, e pela frente se estendem as longas ruas e parques de La Reina e da comuna vizinha de Ñuñoa.
 
“No nosso grupo temos principiantes e ginetes com experiência, desta forma na maioria do tempo nos movemos em um passo constante. Mais acima no cerro, à medida que a trilha vai se alargando, decidimos galopar. É muito mais fácil que o trote”, nos garante Nina. "As selas são muito mais confortáveis que as inglesas". E isso é verdade – andar pelo vale com o vento e o sol no rosto e os cavalos correndo, é uma sensação indescritível.
 
Os Andes são parte do cenário de Santiago e, quando se vive na cidade, a paisagem pode ser simplesmente linda e assombrosa e que sempre estão aí à distância, longe da existência urbana. Esta é a maneira de redescobri-la: vá a La Reina, subam em um cavalo e cavalguem pelas montanhas. Depois de cinco minutos entre as rochas e as águias lembrarão onde estão exatamente quando estão em Santiago: em um lado da coluna vertebral da cordilheira mais extensa do mundo, um ícone da América do Sul.
 
Para mais informação, visite www.cabalgatasantiago.com

img_banner