Prata e lápis-lazúli chilenos

As joias escondidas nos cerros de Valparaíso

O ourives Víctor Hugo tem estado elaborando joias feitas a mão por doze anos. Descendo por uma boemia passagem, sua loja e ateliê se encontram ocultos à simples vista, como o segredo mais bem guardado desta cidade portuária, atraindo clientes do Chile e do mundo inteiro.

sábado, 27 de noviembre de 2010  
Víctor Hugo, artesano de la plata, en su taller. Víctor Hugo, artesano de la plata, en su taller.

Em um dia quente, subir pelas ruas do porto de Valparaíso pode chegar a ser tão opressivo quanto o sol do meio dia. Mas oculto ao interior das sinuosas colinas da cidade, existe um filão de pura ourivesaria. Nas alturas do Cerro Concepción, em uma das partes mais bonitas do labiríntico porto, está a loja de Víctor Hugo, ourives e um verdadeiro fabricante de joias chilenas.

É muito fácil passar batido pela sua sala de exposição - Taller de Plata, já que a única propaganda é um pequeno cartaz apoiado em uma parte do pavimento da rua Pasaje Templeman. No beco, a um passo para a esquerda, toque a campainha de uma rústica porta e o artesão sairá para te convidar a entrar na fresca e antiga vila que serve como seu lugar de trabalho.

O mostruário é espetacular. Tradicionais e simples móveis de madeira escura estão enfeitados com a fina joalheria de prata chilena; o precioso metal brilha com o seu tom único à luz irregular que penetra entre as frestas das janelas da loja. Uma vitrina central contém grossos colares, anéis e brincos em forma de estrela com incrustações de âmbar. Espalhados por toda a habitação há muito mais joias junto a estátuas em miniatura, gravuras em pedras e gemas soltas para as pessoas que quiserem colocá-las de acordo ao seu próprio gosto.

Outras peças com as que conta este ateliê são as fabricadas com a famosa pedra azul de lápis-lazúli do Chile, uma pedra preciosa que se encontra em poucos países no mundo. Sou incapaz de resistir a comprar uma pequena, com um buraco em forma de rosca no centro e pronta para ser usada. À venda por somente $800 pesos chilenos (US$1.70).

Inspirado pelos cerros de Valparaíso

"Valparaíso é uma fonte inesgotável de inspiração", afirma Hugo, o dono da loja e criador de todo o trabalho que está exposto no local, com a exceção de uma seleção de algumas joias mapuches características, localizadas em um lugar de destaque atrás do mostrador. Isto provém das viagens anuais que realiza ao sul para se reunir com os artesãos indígenas estabelecidos em Temuco, capital da cultura mapuche chilena.

Nascido na nortista cidade chilena de Antofagasta, Hugo começou a trabalhar com metais e pedras preciosas enquanto estava vivendo no Brasil entre os anos 1970 e 1980. De regresso ao seu país de origem em 1994, viveu por curtos períodos em Santiago e na cidade-irmã de Valparaíso, Viña del Mar, antes de se estabelecer na cidade portenha em 1998.

Para este ourives, a histórica cidade portuária se transformou em sua musa. "Sinto-me inspirado pelas linhas das colinas", diz. "A geografia e a diversidade de culturas... Pessoas de todos os países vivem e viajam para cá, e eu falo bastante com eles, sobre o Chile e a vida no estrangeiro".

Joalheria artesanal no Chile e no estrangeiro

Com suas próprias fontes ricas em prata nas minas do norte do país, a ourivesaria artesanal proporciona ao Chile um contato com culturas do mundo inteiro. Hugo tem viajado por todo o globo, da Suécia ao Brasil, para apresentar sua obra em exposições. Em Valparaíso ele costumava dar aulas de fabricação de joias para estudantes estrangeiros traspassando suas habilidades aos jovens dos E.U.A., França e Suíça, entre outros.

Com um número crescente de clientes locais visitando sua loja, Hugo acredita que os chilenos estão cada vez mais interessados na joia artesanal fina. "Há mais interesse pela arte e pela cultura", reforça. "Da mesma forma que os turistas estrangeiros, agora os chilenos vêm olhar as vitrines da loja e estes são muito mais propensos a voltar para comprar uma peça".

Valparaíso está se tornando uma excelente fonte de joalherias de qualidade com outro ateliê de prata, do ourives Rocco Napoli, logo depois da esquina da própria loja do Hugo, no Cerro Concepción. Cursos de artesanato em ouro e prata também estão aumentando no Chile, com escolas em todo o país que atendem os chilenos e os estrangeiros da mesma forma. A Universidade do Chile apoia uma oficina de ourivesaria que outorga o Museu de Arte Popular Americana em Santiago, e a Universidade Católica de Temuco, no sul do Chile, também oferece um curso de ourivesaria contemporânea onde se trabalham o ouro e a prata.

Quando perguntamos a Hugo o que mantém o seu negócio com vida e que faz com que os clientes voltem uma e outra vez ao seu pequeno ateliê na bela cidade que é o seu lar, a resposta dele é simples: "Crer. É acreditar no que você faz, e o amor pelo trabalho”.

"Eu trabalho com os elementos da terra, com suas diversas e lindas cores. Cada joia é um poema, um ato de amor, e junto com ela vem uma história. Meu trabalho é uma linguagem universal".

Para obter mais informação, visite www.silverworkshop.cl