Lista da Democracy Ranking Association

Chile está no primeiro terço das melhores democracias do mundo

Em uma importante pesquisa que a cada ano avalia a situação sócio-política global o Chile aparece situado no topo dos sistemas democráticos. Também foi posicionado como o segundo melhor da América Latina.

jueves, 23 de diciembre de 2010  
La Moneda, en Santiago de Chile. La Moneda, en Santiago de Chile.

O Chile foi considerado na posição número 28 em uma lista de 100 nações que anualmente é analisada pela Democracy Ranking Association, entidade de perfil acadêmico localizada em Viena. O Chile, o Uruguai e a Costa Rica se localizam entre os melhores latino-americanos: já os argentinos ocupam o lugar 21 e os da América Central se encontram no 29º posto.

A base de dados é proporcionada pela organização norte-americana Freedom House e pelo Índice de Desenvolvimento Humano da Organização das Nações Unidas, já a pesquisa da Democracy Ranking Association considera os indicadores políticos, sociais, econômicos, o acesso à educação e saúde e políticas de meio ambiente, entre outros.

A posição do Chile melhorou em dois lugares na classificação geral com respeito ao ano passado, sendo considerada entre as 25 democracias que mais tem aperfeiçoado o seu sistema no mundo.

Segundo a pesquisa, das 33 melhores democracias mundiais, aproximadamente a quarta parte se localiza em países não-europeus ou da América do Norte (Austrália, Japão, Coreia do Sul, Nova Zelândia e Israel, entre outros), dentro dos quais somente três corresponde a países latino-americanos.

Para a Democracy Ranking Association, o fator mais importante na avaliação é o nível da função política da democracia. A isso, se somam elementos como a igualdade de gênero, a saúde e a economia com 10 por cento da pontuação. Outros aspectos que estão incluídos são os altos ou baixos graus de educação, pesquisa, inovação e sustentabilidade meio ambiental, também com 10%.

Quanto à qualidade do sistema democrático, o relatório destaca que o Chile exibe os correspondentes a países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), e é por isso que se espera no médio prazo um desenvolvimento máximo nesse sentido. A recente incorporação do Chile ao organismo faz com que se olhe com otimismo a meta do desenvolvimento para a próxima década.

Com estes resultados, o Chile confirma seu alto posicionamento internacional, pois a pesquisa da entidade vienense se une a outros como a que foi realizada por Transparency International que, de um total de 178 países estudados, localiza a administração pública do Chile como a mais transparente da América Latina, terceira a nível americano e 21º no mundo, acima da França e dos Estados Unidos.

img_banner