Grande projeção

Destacam potencial de crescimento do setor salmoneiro chileno

Em 2012, o terceiro produto mais importante nas exportações nacionais pode duplicar seu volume, de acordo ao relatório da firma Multiexport Foods.

viernes, 31 de diciembre de 2010  
En 2010, se espera que Chile produzca un total de 370.000 toneladas de salmón. En 2010, se espera que Chile produzca un total de 370.000 toneladas de salmón.

Uma projeção realizada pela empresa exportadora Multiexport Foods indica que a indústria do salmão no Chile tem um potencial de crescimento que supera ao de qualquer país do mundo.

Na atualidade, a Multiexport cria peixes para a exportação em 85 sedes, uma cifra que esperam aumentar para 100 nos próximos dois anos. Com este aumento das instalações, estimam que seriam capazes de produzir um adicional de 600 mil toneladas de salmão por ano.

Em 2010, espera-se que o Chile produza um total de 370 mil toneladas de salmão incluindo um adicional de 29 mil salmónidos- um grupo de peixes que inclui trutas e outras espécies similares.

Se o Chile puder chegar às estimativas estabelecidas pela pesquisa, a produção total do salmão será de um milhão de toneladas, similar à da Noruega, o maior produtor do mundo. A partir de 2007, o Chile fornece 36% do consumo global de salmão, comparado com 43% da Noruega.

A maior parte das vendas do salmão chileno se encontra dentro da América Latina, com 35% das vendas totais. Já 30% deste produto vão para o norte, aos Estados Unidos. Na sua totalidade, 25% das exportações de salmão são para o Japão e o resto se divide entre a Rússia (3%), a Ásia (5%) e a União Europeia (2%).

Aproximadamente, 40% das exportações pesqueiras do Chile provêm de fontes silvestres, o resto procede de centros de aquicultura. Além do salmão e da truta, as principais exportações aquícolas do Chile são de mariscos como ostras, ameijoas e locos (abalón).

Graças a um acordo de cooperação assinado com a Noruega em outubro para compartilhar tecnologia e pesquisa, espera- se que a indústria do salmão no Chile tenha maior auge. Durante a última década, o setor tem se expandido 22% anualmente e hoje é a terceira maior exportação do país, depois do cobre e dos subprodutos da indústria florestal.

Junto com a estimativa realizada pela Multiexport Foods se soma o importante acordo assinado entre a Associação da Indústria do Salmão do Chile (Salmon Chile) com o Global GAP, organismo transnacional privado que estabelece normas voluntárias de certificação dos produtos agrícolas em todo o planeta.

Para o Chile, esta assinatura implica no uso do SalmonGAP, uma ferramenta única no setor salmoneiro mundial que agrupa um conjunto de “boas práticas” com o objetivo específico de conseguir uma elaboração certificada de “salmão sustentável”.

O setor salmoneiro nacional procura melhorar seus padrões não somente em matérias produtivas, de saúde de peixes e de qualidade e inocuidade dos alimentos que elabora, mas sim também em temas relevantes como a sustentabilidade ambiental, as condições de segurança e a saúde ocupacional dos trabalhadores, o bem-estar animal e a biosegurança dos processos.

O acordo, assinado em Londres durante a X Conferência Internacional da Global GAP, permite que o organismo multinacional prepare as companhias chilenas para responder eficientemente aos requerimentos de certificação dos diferentes mercados internacionais.

img_banner