Confirmam Santiago e Valparaíso como pódio e chegada do Dakar

Quinta edição na América do Sul largará na capital do Peru e terá a sua jornada de descanso na Argentina.

lunes, 02 de abril de 2012  

Em 2013, o Rali Dakar culminará a sua quinta travessia pela América Latina nos principais núcleos urbanos do Chile, segundo confirmaram os seus organizadores na França.

Santiago terá o encerramento da competição automobilística no próximo dia 20 de fevereiro, uma jornada depois que motos, quadriciclos, automóveis e caminhões cheguem à meta colocada em Valparaíso.

Quinze dias antes, a corrida Off Road mais difícil do calendário mundial terá a sua largada em Lima, no Peru. Depois, entrará no Chile e atravessará três regiões: Arica e Parinacota; Tarapacá e Antofagasta.

A caravana usará o passo fronteiriço de Jama –próximo ao povoado de San Pedro de Atacama- para cruzar os Andes e continuar a prova na Argentina, país que nesta ocasião terá a jornada de descanso em San Miguel de Tucumán.

Apesar de o calendário definitivo ainda estar pendente, Amaury Sport Organisation (ASO) já anunciou um novo cruzamento da cordilheira, quando os competidores e seus apoios deverão subir os 5.000 metros de altitude do passo San Francisco rumo a Copiapó.

A capital da Região do Atacama uma vez mais acolherá no deserto a etapa mais tradicional do rali sul-americano, o circuito em bucle (ou “loop”) de Copiapó.

O traçado da 35ª edição do Dakar considera dirigir-se finalmente à zona central do Chile, onde se concentra quase a metade da população nacional: em Valparaíso se verá a última bandeira quadriculada e Santiago terá a cerimônia de premiação no Palácio de La Moneda, a sede do governo.

“Peru, Argentina e Chile, que serão explorados de norte a sul, oferecerão ao Dakar um ângulo de ataque diferente do litoral pacífico, as dunas do Atacama e os relevos da cordilheira andina”, afirmou o diretor do Dakar, Etienne Lavigne.

E finalmente advertiu que “o caminho entre Lima e Santiago, longe de ser um tranquilo passeio à beira -mar, estará cheio de dificuldades que transformarão o percurso em uma corrida frenética e apaixonante, para que o excepcional continue sendo a norma”.

Imagem: cortesia François Flamand / DPPI

img_banner