Universidade chilena lança tratamento inovador para feridas complexas

Econômico e de fácil aplicação, o novo material se adapta a qualquer tipo de lesão, regenera o tecido e termina absorvido pela pele.

jueves, 17 de mayo de 2012  
Universidad chilena lanza innovador tratamiento para heridas complejas

A Universidade Austral do Chile (UACh), com sede na sulista cidade de Valdivia desenvolveu um eficiente material para o tratamento de feridas complexas, que funciona como uma pele artificial e promete evitar amputações em pacientes afetados por males como o pé diabético e as úlceras venosas.

Os curativos se adaptam a qualquer tipo de lesão e não apresentam problemas de biocompatibilidade, não necessitam de cirurgia nem de anestesia, não causam dor e podem ser utilizados em qualquer centro de atendimento primário.

Obtido através de uma matriz polimérica, com o material batizado de Wafer-Sponge são confeccionadas almofadinhas de aproximadamente 2,5 centímetros de diâmetro, que se transformam em avançadas indutoras ao fechamento das lesões.

"As esponjas são aplicadas sobre a ferida e produzem a neovascularização do tecido, ou seja, a formação de novos capilares sanguíneos. Ao redor de dois meses existe uma nova pele e o material já foi absorvido por ela", detalhou Miguel Concha, diretor do projeto do Instituto de Anatomia, Histologia e Patologia da UACh.

Por todas as suas qualidades, o acadêmico garantiu que a inovação tem todo o potencial para se tornar uma solução complementária à cura avançada de maneira eficiente, segura e economicamente sustentável.

"No Chile, em média, são 16 mil pacientes todos os anos que não respondem ao tratamento médico e evoluem com complicações progressivamente importantes para sua saúde. Destes, 3 mil pacientes com úlceras do pé diabético se enfrentam ao risco da amputação como única solução, devido à gravidade das suas lesões”, argumentou.

"Seguiremos trabalhando para melhorar esta aplicação, criar novos materiais e pesquisar outras potencialidades derivadas desta. Este trabalho está aberto às novas gerações de investigadores e estudantes que queiram contribuir à ciência e à medicina", acrescentou Concha.

Atualmente, o produto se encontra em aplicação como protótipo no Hospital Clínico Regional de Valdivia e no Instituto Nacional de Feridas em Santiago, além do Centro de Saúde Familiar Rural de Niebla, a 17 quilômetros da capital da Região de Los Ríos.

Imagem referencial: gentileza David Lillo/ Ministério de Saúde do Chile