Distinguem jogadores de futebol no 50° aniversário da Copa do Mundo Chile 1962

Presidente homenageou os jogadores nacionais que conquistaram o terceiro lugar na copa em que o Brasil foi campeão.

jueves, 07 de junio de 2012  
Pelicula Oficial Mundial 1962 Parte 1 por cobrehott

Em Santiago, o Presidente Sebastián Piñera encabeçou a cerimônia de comemoração dos 50 anos da Copa do Mundo da FIFA Chile 1962, com uma homenagem aos jogadores nacionais que obtiveram o terceiro lugar.

No Palácio de La Moneda, o mandatário recebeu 14 dos 15 jogadores que competiram no torneio, onde o Brasil recebeu o seu segundo título consecutivo da mão de Garrincha, Vavá, Pelé, Zagallo e Amarildo, entre outras estrelas.

Logo após entregar-lhes um diploma e uma camiseta da “Rojaa cada um, o Presidente garantiu que “se necessitava muito mais que talento para haver realizado esta façanha. O que estamos vendo hoje em dia e já haviam demonstrado durante 50 anos é unidade, coragem, amizade,responsabilidade, entrega, compromisso, amor pela camiseta. Deram tudo”.

Para Piñera, a proeza dos já veteranos jogadores “vive no coração e na alma de todos os chilenos. Saberemos contar aos nossos filhos e netos que neste pequeno país chamado Chile quando nos unimos e damos o melhor, somos capazes de conquistar todos os cumes e alcançar todas as metas”.

Durante a homenagem à qual também estiveram presentes os dirigentes e jornalistas da época, o mandatário recordou os que já haviam partido, entre eles o diretor técnico Fernando Riera e o dirigente Carlos Dittborn, a quem se atribui a lenda máxima “porque não temos nada, queremos tudo”.

Memórias de Pelé

Considerado o melhor jogador da história, o brasileiro Edson Arantes do Nascimento, Pelé, compartilhou suas lembranças do mundial do Chile, quando a “Verde-amarela” jogou a fase completa de grupos e a partida de quartas-de-final contra a Inglaterra no estádio Sausalito de Viña del Mar.

No Chile, nos sentimos como se fôssemos outros chilenos mais. A relação dos brasileiros com o seu país tem sido sempre assim. E pessoalmente, como mencionei, o vínculo é especial. As pessoas sempre nos apoiaram e nunca sofremos nenhum inconveniente durante toda a Copa. Muito pelo contrário”, disse ao jornal La Tercera.

Para nós foi perfeito, não tivemos nenhum tipo de problema durante a nossa estadia, tanto em Viña del Mar quanto em Santiago”, acrescentou, citando a capital onde o “Scratch” disputou a semi-final na qual venceu o Chile e o classificou para disputar o título contra a Tchecoslováquia.

Fotografias: gentileza Instituto Nacional de Deportes (IND) / Max Montecinos

img_banner