Chilenos criam plataforma com acesso a 10 mil aulas on line

Cátedras, palestras e cursos de universidades do mundo inteiro formam parte do cardápio de Classroom.tv.

jueves, 15 de noviembre de 2012  
Chilenos crean plataforma con acceso a 10 mil clases en línea

Por Paula Leighton N.


Um curso do MIT sobre filosofia no cinema, outro da U. de Berkeley sobre química ou uma introdução à história grega antiga da U. de Yale são somente alguns dos cursos que qualquer pessoa pode fazer sentado confortavelmente na frente do seu computador no momento em que quiser. E totalmente grátis.


A possibilidade de ter acesso a mais de 10 mil cursos on line de destacadas universidades e institutos é uma das grandes atrações de Classroom TV ( www.classroom.tv ). Esta é uma plataforma que foi idealizada pelo chileno Eduardo Abeliuk enquanto fazia um doutorado na Universidade de Stanford (E.U.A.) e hoje a desenvolve junto com uma dezena de engenheiros e especialistas em educação que trabalham em Palo Alto (Califórnia) e em  Santiago.


"Acredito que no mundo de hoje e no de amanhã vai ser cada vez mais importante para as pessoas estarem adquirindo conhecimentos, independente da idade. A tecnologia é o ponto-chave nisso, porque permite oferecer educação personalizada, para que cada um aprenda no seu próprio ritmo e organizando o seu tempo. E isso gera muita motivação", afirma Abeliuk.


Apesar da sua formação não ser a de educador, ensinar e aprender não lhe é alheio. "Isso é o que eu tenho feito nos últimos 10 anos, e é o que realmente me fascina ". Tem sido professor auxiliar em 10 cursos e possui cinco títulos, que incluem licenciaturas em Física e Engenharia Elétrica no Chile, mais um mestrado em Bioengenharia e um doutorado em Engenharia Elétrica na U. de Stanford.


Instituições chilenas


Apesar de a maioria das aulas que atualmente estão na plataforma pertencerem a instituições estrangeiras e estarem em inglês - algumas delas com legendas- a grande aposta do portal é a de se tornar a plataforma de educação on line líder na América Latina.


Os primeiros passos já foram dados com uma pós-graduação semipresencial de gestão e liderança para diretores de escolas, cujas aulas foram dadas pela UC e pela U. da Pennsylvania, enquanto os alunos de pré-graduação da Faculdade de Matemáticas da Universidade Católica do Chile já podem ter acesso às aulas virtuais na plataforma. "Várias instituições de educação superior já estão subindo os seus próprios cursos à plataforma, mas até o momento isso se dá de maneira fechada", assinala Abeliuk.


"Atualmente o aluno que assiste a uma aula presencial entende, em média, a metade dos conteúdos. Ter acesso às aulas on line lhes dá uma segunda oportunidade de repassar os conteúdos, revisar conceitos que não ficaram claros ou entender como se resolvem os problemas", explica Martin Chuaqui, decano da Faculdade de Matemáticas da UC.


Este plano piloto tem 1.150 usuários ativos e no final do mês contará com aproximadamente mais de mil aulas gravadas.


Retroalimentação


Uma aula no portal não é somente o vídeo do professor na sala, explica Johana Ladrón de Guevara, especialista da Área de Educação da plataforma. "Há um trabalho prévio de melhoria, que permite ao usuário ver na tela os slides ou vídeos que o professor está mostrando na aula e acrescentar exercícios para que os estudantes resolvam-no on line, tendo um feed-back imediato". Além do mais, se cria um índice de conteúdos da aula que permite ir diretamente ao que se necessita, sem ter que ver o vídeo completo.


O sistema também permite que os alunos enviem perguntas sobre a aula, as quais podem ser respondidas pelo professor, pelo seu ajudante ou por seus próprios colegas.


Para Chuaqui, a plataforma digital não só oferece uma forma inovadora de aprender. Também pode ter um impacto positivo para o ensino. "Eventualmente, os professores poderiam adaptar as suas aulas em função dos dados que lança a plataforma. Por exemplo, posso ver que antes das provas os alunos consultaram mais determinados conteúdos, então a posteriori posso aprofundar esses temas na aula ou pedir ao ajudante que os reforce".


Abeliuk confia em que outras instituições comecem a aderir a esta forma de educar. "Há pessoas que já podem perceber que está vindo uma mudança importante na educação superior. É um processo que leva tempo, mas estamos abrindo o caminho e dando os primeiros passos para que essa mudança efetivamente ocorra", conclui.


Fonte: jornal El Mercurio de Santiago


Imagem referencial: Universidade Adolfo Ibáñez